quinta-feira, agosto 04, 2011

LIVRO REVELA VIDA CONTURBADA DE ISMAY


Uma biografia sobre o diretor-executivo da White Star Line, revela que J. Bruce Ismay teve uma vida atormentada após ter fugido em um bote junto com mulheres e crianças, durante o afundamento do navio, deixando milhares de pessoas para trás. A autora do livro, Frances Wilson, conta nesta quarta-feira no jornal britânico The Daily Telegraph que o presidente da companhia que construiu o grande transatlântico foi duramente castigado pela imprensa da época, que o rotulou de "covarde" e "egoísta".

A biografia, intitulada How To Survive the Titanic: The Sinking of J.Bruce Ismay, será lançada no dia 15 de agosto no Reino Unido e nela se narra à história do executivo britânico após a tragédia. Ismay era um dos passageiros do cruzeiro, que afundou em sua viagem de inauguração, em 14 de abril de 1912, após se chocar contra um iceberg em águas do Atlântico quando se dirigia de Southampton (sul da Inglaterra) a Nova York.

Segundo a biografia, J. Bruce Ismay aproveitou de sua posição para fugir em um dos botes salva-vidas destinados às mulheres e crianças, deixando para trás mais de 1.500 passageiros que morreram no acidente. Sua história deu a volta ao mundo e o tratamento que recebeu por parte da imprensa foi impiedoso. Na época, o tablóide britânico Daily Mirror se referiu a ele em manchetes como "o homem mais criticado do mundo" e um jornal americano o qualificou como "alguém preocupado só com ele mesmo".

A autora explica como J. Bruce Ismay, após o acidente, recebia mensagens ameaçadoras e que muitos de seus amigos o abandonaram. Além de sua fuga covarde, dias depois do acidente, descobriram que a decisão de reduzir o número de botes salva-vidas de 48 para 16 foi sua, o que aumentou a raiva da população.

Em uma carta, que a biógrafa teve acesso, o britânico, atormentado pelos pesadelos, confessou a uma amiga que sua vida profissional o arruinou e que não queria voltar a ver um navio em sua vida. "Talvez estivesse muito orgulhoso das minhas embarcações e este foi meu castigo", reconheceu o também presidente geral da linha de navios a vapor White Star Line.


Fonte: Terra

4 comentários:

Anônimo disse...

Não sei se Ismay é vilão nessa história. Ocorre que ele se desentendeu com o barão da mídia na época (não me recordo o nome) e este se aproveitou e foi a forra. O pecado de Ismay foi entrar num dos últimos botes após ter ajudado muitos a entrar em outros. E quanto ao capitão? Foi eternizado como herói e se tornou um mito com direito a estatua e musicas feitas para ele. No entanto ignorou todos os avisos de gelo e continuou a todo o vapor. A verdade é que é tão fácil criar um bandido quanto um herói.

e' L o o h disse...

Boa Tarde,
estava procurando histórias sobre o RMS Titanic, e por acaso encontrei o seu blog, achei super interessante as postagens, todas bem informativas, nós que temos grande interesse no assunto as vezes procuramos e não encontramos muito a respeito devido a época do ocorrido, quando encontramos são paginas não traduzidas ao nosso vocabuário, e dá muito trabalho traduzí-las.
Quero parabenizar a sua iniciativa de fazer um blog com todas essas informações, e tenho certeza que todas as pessoas com esse interesse no RMS Titanic adora seu blog.
Att, Eloíza.

Safira disse...

Para mim Bruce ismay não merecia tanta revolta da população ele era apenas mais um passageiro q não morreu no Titanic .afinal se ismay não tivese se salvador no bote ele tinha salvador apenas uma vida ,pense vc no Titanic aquela noite ! As pessoa só queria continua vivas .ismay foi chamado de corvade e egoísta por querem continua vivor por amar vive.

Safira disse...

Para mim Bruce ismay não merecia tanta revolta da população ele era apenas mais um passageiro q não morreu no Titanic .afinal se ismay não tivese se salvador no bote ele tinha salvador apenas uma vida ,pense vc no Titanic aquela noite ! As pessoa só queria continua vivas .ismay foi chamado de corvade e egoísta por querem continua vivor por amar vive.