quinta-feira, fevereiro 05, 2009

TÉCNICA DE REBITAGEM


Para quem assistiu o documentário “Titanic – A Lenda”, exibido em 2005, a técnica de rebitagem, era daquela maneira, sem mais nada para ajudar na vedação. Até nos nossos dias atuais é usada esse tipo de técnica com peças para várias utilizações.

Para rebitar placas ou peças, é preciso saber que tipo de rebitagem vai ser usado, de acordo com a largura e o número de chapas, a aplicação e o número de fileiras de rebites. Ainda, será preciso fazer cálculos para adequar os rebites à espessura das chapas. Os tipos de rebitagem variam de acordo com o esforço a que serão submetidas.

Assim, temos:
- Rebitagem de recobrimento
- Rebitagem de recobrimento simples
- Rebitagem duplo

Rebitagem de recobrimento, as chapas são apenas sobrepostas e rebitadas. Esse tipo destina-se somente a suportar esforços e é empregado na fabricação de vigas e de estruturas metálicas.

Rebitagem de recobrimento simples, é destinada a suportar esforços e permitir fechamento ou vedação. É empregada na construção de caldeiras a vapor e recipientes de ar comprimido. Nessa rebitagem as chapas se justapõem e sobre elas estende-se uma outra chapa para cobri-las.

Rebitagem de recobrimento duplo, usada unicamente para uma perfeita vedação. É empregada na construção de chaminés e recipientes de gás para iluminação. As chapas são justapostas e envolvidas por duas outras chapas que as recobrem dos dois lados.

Quanto ao número de rebites que devem ser colocados, dependerá da largura das chapas ou do número de chapas que recobrem a junta, é necessário colocar uma, duas ou mais fileiras de rebites. Quanto à distribuição dos rebites, existem vários fatores a considerar: o comprimento da chapa, a distância entre a borda e o rebite mais próximo, o diâmetro do rebite e o passo. O passo é a distância entre os eixos dos rebites de uma mesma fileira. O passo deve ser bem calculado para não ocasionar empenamento das chapas.

No caso de junções que exijam boa vedação, o passo deve ser equivalente a duas vezes e meia ou três vezes o diâmetro do corpo do rebite. A distância entre os rebites e a borda das chapas deve ser igual à pelo menos uma vez e meia o diâmetro do corpo dos rebites mais próximos a essa borda. O cálculo de distribuição dos rebites é feito por projetistas que deverão levar em conta a finalidade da rebitagem, o esforço que as chapas sofrerão o tipo de junta necessário e a dimensão das chapas, entre outros dados do projeto. Por essa razão, o profissional encarregado pela rebitagem receberá os cálculos já prontos junto com o projeto a ser executado.

Para quem não assistiu o documentário “Titanic – A Lenda”, segue os links para download:

http://www.4shared.com/file/81164995/416f576f/DOC_-_Titanic_-_A_Lendapart1.html

http://www.4shared.com/file/81168192/9bce2ccc/DOC_-_Titanic_-_A_Lendapart2.html




Post de hoje é dedicado ao meu
amigo titânico Rodrigo Piller.

9 comentários:

Amauri disse...

Documentário Excelente!

Blog "completíssimo"
Parabéns capitão!
Gostei muito dessa explicação sobre REBITES que foram peças fundamentais no naufrágio.

Abraços

=D

Jeff disse...

boa materia, interessante
parabens meu amigo =]

Rodrigo Aparecido Piller disse...

Muito obrigado pela dedicatória!

Esta foi uma de minhas grandes dúvidas... Grande abraço!

Gabriel disse...

aja força no braço

o.O

porraaaaa meu kkkkkkk

mto massa Alê, parabens!!!

fabiana disse...

esse documentario eh otimo
interessante issu dos rebites, parabens!!!
sempre com novidades
bjs ^^

fabiana disse...

ahhhhh + 1 video pra collection =]

Mário disse...

um grande documentario!

Tommy disse...

Blog "completíssimo"
Parabéns capitão! [2]

=)

Andre disse...

nao imaginava q era assim