sexta-feira, dezembro 12, 2008

RICHARD NORRIS WILLIAMS II


Richard Norris Williams II, nasceu em Genebra, Suíça, no dia 29 de janeiro de 1891. Estava viajando para América para participar de um torneio de tênis e depois ingressar na Universidade de Harvard. Dick Williams embarcou em Cherbourg, como passageiros de Primeira Classe com o bilhete número PC 17597. Dick Williams viajava com o seu pai, o advogado Charles Duane Williams. Sobre o pai de Dick Williams falaremos no próximo post.

Minutos após o choque com o iceberg, no convés C, pai e filho notam que um camareiro não consegue abrir a porta da cabine ao lado, Dick Williams derruba a porta a pontapés e é repreendido pelo camareiro que diz que os estragos serão de responsabilidades dele e que o mesmo deverá pagar pelo conserto.

Por volta da meia-noite, Dick Williams e seu pai tentam acessar o bar, procurando uma bebida para aquecê-los, mas são barrados por um tripulante por causa do horário. Charles entrega então ao filho um frasco vazio de bebida que sempre carregava consigo. Hoje, este frasco pertence ao neto Quincy II.

Os dois homens vaguearam pelos decks do navio. Foram até o deck A verificar as anotações do funcionamento do navio que era afixado diariamente. No deck dos botes puderam ver os botes salva-vidas à distância. Por causa do frio intenso resolveram ficar no ginásio onde se sentaram nas bicicletas fixas e ficaram conversando com o instrutor McCawley.

Poucos minutos antes do navio desaparecer para sempre, ambos pularam no mar. Dick Williams foi surpreendido ao encontrar-se frente a frente com o bulldog premiado Gamon de Pycombe, de propriedade de Robert W. Daniel, passageiro da primeira classe.

Infelizmente Dick Williams vê seu pai sendo esmagados por uma das chaminés e por pouco não é atingido também. Ironicamente a queda da chaminé provoca uma onda que o arremessa para longe, onde ele consegue ver o dobrável A. Trecho de uma carta de Richard Williams ao Coronel Gracie:

Não permaneci durante muito tempo debaixo d'água e, tão logo pude vir à tona, despi meu sobretudo de pele. Também tirei os sapatos. Nadando uns 20m, vi algo flutuando. Era um dos botes dobráveis. Pendurei-me na borda e pude alçar-me, sentando-me. A água me cobria até acima da cintura. No todo, éramos umas 30 pessoas ali.

Após o resgate pelo Carpathia, Dick Williams é informado pelos médicos que suas pernas são consideradas mortas, devido à excessiva imersão na água gelada, e é recomendado a amputação. Ele se opõe a tal decisão. Dick Williams exercitou diariamente e eventualmente seus pés recuperaram com o passar o tempo. Dick Williams continuou sua carreira de tenista e entrou para a Universidade de Harvard. Entre 1913 a 1926 foi membro da United States Davis Cup Team. Apesar de seu calvário traumático e do ferimento em seus pés, ele ganhou vários prêmios:

Campeonato Norte-Americano Individual de Tênis em 1914 e 1916.
Torneio de Wimbledon – Duplas em 1920.
Medalha de Ouro nas Olimpíadas de Paris – Duplas Mistas em 1924.
Aberto dos Estados Unidos – Duplas em 1925 e 1926.

Dick Williams se alista em 1917, após os Estados Unidos declararem guerra à Alemanha. Serve na França com tamanha bravura que o governo francês o condecora com a “Croix de Guerra” e lhe outorga o título de “Chevalier de La Légion d’Honneur”.

Em uma vida cheia de aventuras Dick Williams ainda transformar-se num banqueiro de investimento bem sucedido na Philadelphia e foi por 22 anos o presidente da Historical Society of Pennsylvania. Morreu de enfisema em 2 de junho de 1968, aos 77 anos. Seu corpo foi enterrado em St. David's Churchyard, Devon, Pennsylvania.



Post de hoje dedicado ao meu Amigo
e Primeiro Oficial Jesse Henrique,
que além de gostar do Titanic é louco por aviação.

12 comentários:

William disse...

porra o cara eh um vencedor, gostei do post capitão =)
kero ser oficial tbm ^^

abração

Tommy disse...

o.O
esse eh o cara!!! e ainda foi pra guerra!!!
Alencar, mto bom o post, parabens!!!

Daniel disse...

ja pensou se amputasse os pes dele? q injustiça pra um cara com o futuro promissor!!!
gostei da historia desse passageiro, parabens Alencar!!!

Anônimo disse...

parece interessante esse livro.
massa, valeu a dica.

Luiz Felipe disse...

Parabéns!!

Otimo o post!!

PARABÉNS... O BLOG TAH OTIMO!!

EH D+++!!

XAU!!

Gabriel disse...

esse tem estoria pra contar ^^

aki eh show capitão, parabens!!!

^^

Mário disse...

ia acontecer o mesmo ao harold bride mas ele tambem nao quis e salvou a perna!

Amauri disse...

Esse cara é mais que o Átila e o Chuk Norris juntos,
O.o eitaa!
hehehe

abraço, capitão!

bernardo disse...

Nota 10 pro blog
mto doido issu aki =]

Rodrigo Aparecido Piller disse...

Depois de ter uma vida e história dessas uma pessoa pode fechar os olhos com a consciência de que foi um VENCEDOR>>>

Luiz Felipe disse...

estoria bonita
o kra e um guerreiro
o/

jesse henrique disse...

bem elgal, bela peskisa
valew pela homenagemm
=D