sábado, novembro 21, 2009

SHEILA MACBETH MITCHELL

Hoje completa-se 93 anos do naufrágio do HMHS Britannic, irmão do RMS Titanic. Resolvi falar de uma sobrevivente que viveu por 103 anos e que esteve presente na descoberta dos destroços em 1976.



Sheila Macbeth Mitchell, filha de pais escoceses, nasceu em 12 de junho de 1890, em Bolton. Foi criada em Lancashire e Surrey e educada em Polam Hall, Darlington County Durham, Inglaterra. Ela queria se tornar uma professora de educação física, mas sua família não a deixava ter um emprego deste tipo. A Primeira Guerra Mundial, no entanto, permitiu a ela - como muitas outras mulheres de sua geração - de sair de casa e servir como uma auxiliar de enfermagem no Queen Alexandra's Imperial Military Nursing Service.

Depois de servir na região do Mediterrâneo no navio-hospital HMHS Britannic, ela cuidou dos feridos no Hospital Militar na França. Em 1920, ela conheceu e se casou com John Mitchell, teve quatro filhos, sendo que um morreu ainda pequeno.

Quando estava com seus 86 anos de idade, Sheila Mitchell recebeu um convite de Jacques Cousteau para uma reunião com alguns sobreviventes do naufrágio do HMHS Britannic, que ocorreu em 21 de novembro de 1916.

O navio pertencia a White Star Line e era o terceiro navio da “Class Olympic”. Era irmão do RMS Olympic e RMS Titanic, mas foi convertido em navio-hospital quando a guerra eclodiu em 1914 e trouxe para casa muitos soldados feridos. Em uma de suas viagens (felizmente sem feridos a bordo), o navio-hospital afundou perto da ilha de Kea, no Mar Egeu, após uma explosão - a partir de um torpedo de acordo com testemunhas a bordo, ou de uma mina de acordo com a Marinha Alemã.

Sessenta anos mais tarde, em 1976, Cousteau localizou o navio naufragado no fundo do Mar Egeu, e Sheila Macbeth Mitchell voou para a bordo do navio Calypso (foto acima), para dar-lhe suas lembranças claras do naufrágio. Dentre várias histórias, Sheila Mitchell contou sobre o seu relógio que esqueceu a bordo do Britannic no momento do naufrágio e que seria muito interessante se a equipe o encontra-se. Infelizmente Sheila Mitchell ficou desapontada porque nenhum mergulhador conseguiu recuperar o relógio que ela havia deixado em sua cabine.

Depois de alcançar o seu centenário, a mobilidade e a visão de Sheila Mitchell deteriorou-se. Ela manteve uma memória extraordinária, porém, raramente tinha perda de um episódio de sua vida plena e ativa. Sheila Mitchell morreu aos 103 anos, em 15 de fevereiro de 1994, em Batheaston, Inglaterra.




HMHS BRITANNIC

Início da Construção: 30 de novembro de 1911.
Lançamento do Casco: 26 de fevereiro de 1914.
Naufrágio: 21 de novembro de 1916.

10 comentários:

Rodrigo Aparecido Piller disse...

Maravilhoso este documentário,,, o livro é apenas uma introdução à história fantástica desvendada por COUSTEAU....

Parabéns amigo... Grande abraço!

Tommy disse...

Bem lembrado da data, com essa bela história de sobrevivencia e amor a vida.
Parabéns capitão!!!

Leonardo disse...

Meus parábens Alencar,fez belos posts,para reelembrarmos a tragédia do Britannic...em relação ao livro e ao documentario,ainda vou ter não sei quando mais vou,deve ser magnifico o livro e o documentário.
Vi a ultima foto do Britannic no fundo do mar,nunca tinha visto ela,da para perceber como está acabada a parte lateral do Britannic.

Mário disse...

muitos parabéns amigo!

Leonardo disse...

*O lado estibordo do Britannic esta completamente acabada.

Tommy disse...

Gostei do novo visu do blog, ta muito bom parabéns!
Adorei o farol do lado esquerdo do video. *-*

Luiz Felipe disse...

Interessante a historia desta sobrevivente, vc como sempre atento a tudo, parabens capitão

Andre disse...

poraaa 103 anos, essa fez hora extra kkkkk

fabiana disse...

Adorei ♥
bjs :*

SERGIO JUNIOR disse...

Ótimo post capitão,esse post fez eu me interessar sobre o britannic.