domingo, fevereiro 24, 2008

PROCESSOS DE INDENIZAÇÕES

O fim das investigações oficiais não marcou o final das atividades legais. Ao contrário, foi apenas o início de uma série de processos, mediante os quais pessoas físicas e jurídicas pretenderam cobrar indenizações pela perda de parentes, bens e carga. Eles tinham que, necessariamente, esperar o parecer final dos inquéritos oficiais antes de iniciar suas próprias ações legais: caso a White Star Line e seus prepostos tivessem sido considerados francamente negligentes, o caminho estaria aberto a todos os interessados em se ressarcir por danos e prejuízos. No entanto, como nenhum dos inquéritos proferiu qualquer declaração peremptória, parecia improvável que os reclamantes do Reino Unido pudessem receber alguma coisa além do mísero estipêndio previsto pela Lei de Navegação Mercante.
-
As reclamações impetradas nos Estados Unidos, julgadas pela Corte Distrital Sul, do Estado de Nova York, envolviam um total de dezessete milhões de dólares. A White Star Line contestou-as e apelou na tentativa de limitar os débitos ao valor dos destroços recuperados do Titanic, conforme permitido pela lei norte-americana, isto é, o equivalente justo em dinheiro dos treze botes salva-vidas recuperados pelo Carpathia, somado aos fretes pagos com antecedência e a receita advinda da venda de passagens - cerca de 97.772 dólares. A legislação britânica prevaleceu, afinal, intensificando a batalha entre os advogados dos queixosos e os da companhia de navegação. Os depoimentos se arrastaram e provavelmente teriam continuado assim, por um período ainda mais longo, não fosse à eclosão da Primeira Guerra Mundial, em agosto de 1914, ter desviado as atenções gerais. Em 28 de julho de 1916, um acordo entre as partes fixou a quantia de 663 mil dólares a ser rateada pelos queixosos.
-
O caso foi encerrado.

Um comentário:

Mário disse...

tao pouco comparavel a perde humana e a riqueza que foi para o fundo..