quinta-feira, abril 09, 2009

HÁ 97 ANOS NO DIA 09/04/1912


No dia 9 de abril, todos os oficiais, menos o Capitão Smith, passaram a noite a bordo, cumprindo os quartos regulares de serviço e supervisionando os preparativos para o embarque dos passageiros. Nos guindastes, na calefação e outros trabalhos, o navio gasta 415 toneladas de carvão. A sobra do que trouxe de Belfast, somada às 4.427 toneladas que recebeu de outros navios, computam-lhe um total de 5.892 toneladas. Não enche as carvoeiras, cuja capacidade é de 8.000 toneladas, mas é bastante para sete dias de viagem: o consumo diário, em velocidade de cruzeiro, é de 650 toneladas. Persiste, entretanto, o incêndio da carvoeira da sexta sala de caldeiras.

O Capitão Smith traz do Olympic o Chefe dos Oficiais Henry Wilde, rebaixando Murdoch para primeiro oficial e Lightoller para segundo oficial. O segundo anteriormente nomeado, David Blair, que vem do Teutonic, é descartado e, para sua felicidade, não viajará. Para a infelicidade de quem segue a bordo e será vítima da incúria e da sobrançaria, ninguém lhe pergunta onde guardou o binóculo dos vigias. Wilde estava cotado para comandar o Oceanic, mas permanecia em Southampton por causa da greve. Sua nomeação desgosta os oficiais, sobretudo os que são afetados. Nos dias seguintes, os tripulantes continuarão a chamar Murdoch de "chefe". Nova imposição do Capitão Smith: o comissário Barker é rebaixado a assistente e é contratado como comissário-chefe Hugh McElroy, que também vem do Olympic, com um salário 25% maior.

O Titanic é visitado pelo supervisor local do Board of Trade, Capitão Maurice Clarke, que inspeciona o navio acompanhado de Andrews e dos oficiais Lowe e Moody. Testa a lâmpada Morse e lança um foguete de sinalização, aprovando. Embarca num dos botes salva-vidas, o Standard 11, e ordena que os oficiais o lancem, com apenas nove tripulantes. Aprova também, quando deveria ter arriado o bote com a lotação completa, 65 passageiros. A incerteza dos oficiais quanto à resistência dos turcos os induzirá a reduzir a ocupação dos botes durante a primeira hora e meia do naufrágio, causando a perda de quase 500 vidas. A inspeção é tão superficial que não alcança os conveses inferiores, convalidando o certificado de qualidade de um navio que traz ardendo uma das carvoeiras - incidente que o capitão, por sua vez, trata de omitir, acordando com a insensata auto-suficiência da empresa: "Não consigo imaginar algo que possa levar um navio a naufragar", ele declarou, antes do embarque, "a moderna construção naval está muito acima de qualquer fatalidade".

Retirando-se o supervisor, Smith faz sua própria inspeção, acompanhado de Wilde e Murdoch. Na ponte, um jornalista londrino o fotografa. Andrews escreve à esposa, Helen, comentando que o Titanic está pronto, e amanhã, ao zarpar, contribuirá para dar mais prestígio à Harland & Wolff. Na última noite em Southampton, todos os oficiais dormirão no navio, menos o capitão.

5 comentários:

Raphael disse...

Nossa, o capitão Smith fez uma bagunça com o quadro de oficiais, que nepotismo danado o velho fez. kkkkk
Feliz pro Blair que se salvou de um fim possivelmente tragico, mas ferrou todos guardando os binoculos. ¬¬
Murdoch que até o dia anterior pensava em ser primeiro oficial, perdeu o posto no dia seguinte. =(
Muito bom o post, parabéns!!!

Amauri disse...

"Não consigo imaginar algo que possa levar um navio a naufragar."

Isso foi uma facada no peito para todos nós, hehe
Ninguém esperava mesmo que isso fosse acontecer.
Pena os testes não terem sido um pouco mais rígidos =/

É amanhã a partida !

Luiz Felipe disse...

começa a movimentação para o grande dia da viagem...

=D

Taylor Moreira Silva disse...

Cara, que raiva dessa confiança abusiva e exagerada desse povo, principalmente do capitão, confiando tanto que o navio é insubmergível, ao ponto de dizer: "a moderna construção naval está muito acima de qualquer fatalidade".... Que egocentrismo barato, achar q algo feito pelas mãos do homem, se torna impossível de naufragar. Nem ao menos se preocupam com os binóculos. Uma coisa tão simples, mas que com toda certeza, se tivessem sido usados na noite de 14/04, o TITANIC talvez houvesse chegado a Nova York, pois iriam avistar o grande vilão da história... o Sr.Ice Berg... Corrigindo! O grande vilão da história nem é a montanha de gelo, mas sim, aqueles que conduziam o navio... Tantos anos de experiencia, nao serviram de nada ao capitão, bem como aos oficiais que o acompanhavam..
De fato o "pobre" transatlântico ja estava condenado mesmo... Sendo conduzido por pessoas tão estúpidas... Desculpa a minha revolta e as palavras, mas nao me conformo com tamanha confiança, e a falta de inspeção necessária. São detalhes pequenos, mas que mereciam toda a atenção. Foi o q vc mencionou capitão, "sorte" daqueles que nao iam viajar... Ganharam a oportunidade de viver alguns anos a mais...

Gabriel disse...

que prepotencia do capitão Smith dizer aquilo ¬¬