sábado, abril 11, 2009

HÁ 97 ANOS NO DIA 11/04/1912


06h:00min
Diariamente abertura da piscina térmica, no convés F, so­mente para homens. Após as 9h:00min, para ambos os sexos. Atualizam-se os instrumentos de navegação. De madrugada, o capitão fez exercícios com o navio, avaliando sua capacidade de manobra.

08h:30min
Desjejum até 10h:30min. Os passageiros aproveitam o bom tempo para caminhar e conhecer o navio. Alguns da Primeira Classe descem ao tombadilho, mas não conversam com aqueles que viajam nos conveses inferiores, nada têm a dizer a pessoas de inferior condição. Eles freqüentam aquela área aberta aos pobres tão só para passear com seus cachorros.

10h:30min
Inspeção do capitão, acompanhado do engenheiro-chefe Joseph Bell, do comissário-chefe McElroy e do camareiro-chefe Latimer. Também inspecionam o navio Andrews e os técnicos do Guarantee Group. A tripulação cumprimenta o telegrafista Phillips, que está de aniversário. Simulada uma situação de emergência com um sinal de sino e o fechamento das portas estanques. Pouco depois, aproxima-se o navio-guia e transfere-se para bordo o prático do porro de Queenstown.

11h:30min
O navio lança âncora em Queenstown, a quatro quilômetros do porto. É a última escala antes da travessia oceânica. Ismay discute com o engenheiro Bell, quer sua anuência para que o navio, já na segunda-feira, empregue a velocidade máxima, de modo que possa chegar a Nova York na terça-feira, dia 16. Se a pressa se relaciona com o recorde da travessia, é um despropósito. A possibilidade de que o Titanic venha a superar a marca de 1909, pertencente ao Mauretania, da Cunard, é igual a zero.

12h:00min
Parte de Nova York o Carpathia, da Cunard, para Gibraltar.

12h:30min
Almoço até 14h:30min. As barcaças America e Ireland trazem sete passageiros da Segunda Classe e 113 da Terceira, além de 1.385 pacotes de correspondência postal. Desembarcam sete da Primeira Classe: o seminarista jesuíta Francis Browne e seis membros de uma família. Um fornalheiro, John Coffey, natural de Queenstown, esconde-se numa das barcaças e deserta do navio. Entre passageiros e tripulantes, encontram-se a bordo 2.227 pessoas. Jornalistas vêm conhecer o Titanic e um deles fotografa o Capitão Smith e o comissário McElroy. O convés A é visitado por comerciantes e Astor adquire para Madeleine uma jóia no valor de 800 libras. Quando os comerciantes se retiram, ocorre algo inusitado: um fornalheiro com o rosto negro de fuligem olha para eles da boca da quarta chaminé, que é falsa. Algumas mulheres interpretam a aparição como um mau presságio.


13h:15min
O seminarista Browne, na barcaça, tira uma fotografia do Capitão Smith debruçado na amurada da asa da ponte: é a última do comandante. Também são de Browne as raras fotos tiradas a bordo e a derradeira do navio. Na popa, o irlandês Eugene Daly, da Terceira Classe, despede-se de seu país tocando a canção Lamento de Erin em sua gaita de foles.

13h:30min
O Titanic levanta âncora rumo a Nova York e é seguido por um bando de gaivotas, atraídas por restos de comida despejados no mar pelos duros de esgoto. Minutos depois, breve parada para o transbordo do prático. Retomando o curso, passa tão perto de um pesqueiro francês que os pescadores são banhados pelas ondas do sulco da proa. Eles acenam e o navio responde com um apito. Nas horas seguintes, navegando a 19,5 nós, ultrapassará o cabo Kinsale e, a menos de dez quilômetros da costa, pelo canal São Jorge, será visto por inúmeras pessoas, imagem que jamais esquecerão. Inclina-se ligeiramente para bombordo, por obra da grande quantidade de carvão retirada do depósito de estibordo, na tentativa de apagar o incêndio. Comentários dos fornalheiros indicam que as mangueiras d'água têm pouca pressão.

18h:00min
Anunciada a janta.

20h:00min
Abertura do restaurante à la carte.

10 comentários:

Rodrigo Aparecido Piller disse...

Mais um dia na fatal história do navio...
Destaque para o aniversário de Phillips, mal imaginava o futuro se aproximando.

A fotografia de Edward smith é algo surpeendente... muito comovente.

Lindo post!

Raphael disse...

Felizes aqueles que desceram em Queenstown e sorte a nossa que o Francis Bronwe estava saindo com sua maquina fotografica cheia de fotos do navio.
Fico indignado com o capitão, o deposito em chamas ainda e ele não faz nada pra solucionar e nem houve punição pra White Star!!! =(

Amauri disse...

Que magnífico para os passageiros, acordar ... e tomar o primeiro café da manhã no transatlântico.
Deve ter sido um belo dia.

=))

bernardo disse...

Santo Padre Browne, graças a ele temos fotos dos interiores do navio.

fabiana disse...

que xique!!!

banho de piscina pra nos garotas depois das 9:00.

esses 7 dias seriam o verdadeiro PARAISO...

;)

Luiz Felipe disse...

o.O
qto detalhes!!! fico doido com isso!!!

Alexandre disse...

Só ñ entendi o lance do fornalheiro. Ñ era pra ele ter aparecido ali? rs
Uma das passagens mais interessantes no filme de Cameron se dá justamente neste dia, quando a fala da personagem: "Agora não tínhamos mais nada, a não ser o Oceano a nossa frente"
Homem de sorte esse Coffey, rsrs

Abraço
http://falandoprasparedes.blogspot.com

Jeff disse...

Alexandre o fornalheiro apareceu de bico ali. kkkkkkkk

Parabéns Capitão por esse descrição passo a passo dos acontecimentos

Abração!!!

Mário disse...

fiquei com uma questão agora, o Astor comprou por 800 libras uma jóia para Madeleine ou um laço de seda???

Titanic Momentos disse...

Mário,
Alguns tratam como "souvenir", outros como "jóia".
Se compararmos com os preços das passagens, o valor é referente a uma jóia (ou bijuteria fina) e não um laço de seda.